Escrito em por & arquivado em Diversos.

Rachel Biderman destaca o relato abaixo, publicado pelo E-democracia:

Mudanças Climáticas: delegações suecas e espanhola visitam a Comissão de Meio Ambiente para discutir posições dos países sobre mudanças climáticas, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável  da Câmara recebeu nesta quinta-feira, dia 9,  a visita do Embaixador sueco para assuntos de mudanças climáticas, Staffan Tillandar, o Embaixador da Espanha, Carlos Zaldívar, a Embaixadora espanhola para assuntos do clima, Christina Barrios e a primeira secretária da embaixada sueca, Katarina Clifford.A Suécia lidera os esforços da União Européia no campo das mudanças climáticas. Desde 1990 a economia sueca cresceu 50%, enquanto o corte nas emissões de carbono chegou a 10%. Sua política climática propõe a redução em 40% nas emissões até 2020.

Como será a nação presidente da União Européia no período da próxima COP, em dezembro na Dinamarca, a Suécia se organiza para atuar como  protagonista nas discussões. No Brasil, vem  fazendo visitas a autoridades e instâncias ligadas ao tema.

O deputado Roberto Rocha, presidente da Comissão de Meio Ambiente, fez uma explanação sobre os projetos de lei que tramitam na Câmara, destacando a recente aprovação, pela Comissão, do Fundo Nacional de Mudanças do Clima. Participaram da reunião os deputados Fernando Gabeira, Valdir Collato, Leonardo Monteiro, Antonio Feijão, Mendes Thame, Germano Bonow.

Os deputados  destacaram a retomada das negociações sobre o marco regulatório da implantação dos pagamentos por serviços ambientais, com a chegada no Congresso do Projeto de Lei enviado pelo Executivo, agora ao apensado ao PL 792/07, de autoria do deputado Anselmo de Jesus.

O deputado Mendes Thame fez uma explanação sobre a política energética brasileira, em especial sobre o papel do Estado como indutor para o desenvolvimento da produção de álcool combustível. Ele também lamentou a posição adotada pelo governo brasileiro  de negar-se a estabelecer metas de redução de gazes de efeito estufa, alinhando-se à China e Ìndia.

O embaixador Tillander realçou a expectativa da comunidade internacional em relação ao posicionamento que o  Brasil adotará nas discussões e propôs a continuação das conversas, em especial na reunião que acontecerá em outubro próximo, em Estocolmo.

Fonte: Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados – 

Deixe um comentário

Você deve estar registrado para deixar um comentário.