Escrito em por & arquivado em Diversos.

 

 

CLAUDIO ANGELO (OC)

A notícia correu o mundo nesta semana: a concentração de dióxido de carbono na atmosfera ultrapassou em março a marca simbólica de 400 partes por milhão, segundo anunciou a Noaa (Agência Nacional de Oceanos e Atmosfera dos EUA). É a primeira vez que isso acontece desde que a agência começou a medir esse gás em 40 pontos diferentes do planeta, na década de 1980.

Da última vez que houve tanto CO2 na atmosfera, provavelmente 3,5 milhões de anos atrás, não existiam seres humanos, nem gelo no polo Norte. A temperatura média global era de cerca de 3oC mais alta do que no período pré-industrial. O nível do mar era 4 a 5 metros mais alto do que hoje.

O anúncio foi tratado pela imprensa internacional como um “alerta vermelho” no ano da conferência do clima de Paris, que deveria (mas tem gente que acha que não vai) apontar o início da solução do problema do aquecimento global. Embora o recorde seja em si importante, o problema real é a tendência que ele indica.

Quatrocentas partes por milhão, ou ppm, é um número pequeno. Significa que, em cada milhão de moléculas de ar, há 400 de gás carbônico (lembre-se de que a atmosfera é composta quase totalmente de nitrogênio e oxigênio; o CO2 é um dos “gases-traço”, daqueles que juntos formam 1% da composição do ar).

Acontece que o gás carbônico faz o melhor estilo “chiquitito, pero cumplidor”: ele é extremamente eficiente em reter na atmosfera o calor que a Terra irradia em forma de radiação infravermelha. Não satisfeito, ele ajuda a elevar, por evaporação, os níveis atmosféricos de outro gás-estufa muito potente: o vapor d’água. Isso mesmo: como sua mãe já deve ter dito, até água em excesso faz mal.

As medições da concentração de CO2 na atmosfera começaram a ser feitas em 1958 pelo americano Charles Keeling no alto do vulcão Mauna Loa, no Havaí. O local foi escolhido por estar bem longe de fontes de poluição que pudessem enviesar as amostras de ar. O Mauna Loa, a 4.000 metros de altitude e no meio do Oceano Pacífico, representa bem como o CO2 está misturado à atmosfera global.

Quando as medições de Keeling começaram, a concentração de CO2 no ar estava em 315 ppm. Em 2013 elas ultrapassaram 400 ppm no Mauna Loa pela primeira vez, para caírem em seguida e fecharem o ano em 393 ppm. Os dados da Noaa mostram que o mesmo sinal foi detectado não apenas em um ponto, mas em dezenas de lugares diferentes mundo afora.

Assim como aconteceu em 2013, o valor vai cair nos próximos meses e fechar o ano abaixo de 400 ppm. A oscilação acontece porque no final do inverno no hemisfério Norte, onde está a maior parte das terras (portanto, da vegetação) do mundo, há muito carbono no ar. Ele vem da da decomposição das folhas que caíram no outono. Na primavera, a rebrota sequestra esse CO2 e a concentração cai novamente.

O problema, claro, é que essa concentração vem subindo de forma acelerada ano após ano. Em todo o período pré-industrial, a concentração de CO2 na atmosfera jamais ultrapassou 280 ppm. Do surgimento da espécie humana até o ano em que Keeling começou a fazer suas medições, o aumento foi de 12,5%, no máximo. Da primeira vitória do Brasil numa Copa do Mundo até hoje, o aumento já foi de outros 27%. A velocidade anual de crescimento dobrou entre 2000 e 2010 em relação a 1960-1970. Metade do aumento verificado desde a aurora da humanidade aconteceu depois de 1980.

 

A chamada "curva de Keeling", com o crescimento das concentrações de CO2 desde a década de 1950

Nesse ritmo, o CO2 terá dobrado em relação à era pré-industrial antes do final do século. Os modelos climáticos apontam que, com duas vezes mais CO2 no ar, o aumento da temperatura da Terra seria de cerca de 3oC, valor muito superior ao limite considerado “seguro” (e, para alguns, já inatingível) de 2oC acima da média pré-industrial. Segundo o IPCC, o painel do clima da ONU, para ter uma chance de 50% de atingir os 2oC, os níveis de CO2 precisariam estacionar em 450 ppm e depois cair.

Os 400 ppm são um número bizantino, mas importante por isso: apenas 50 ppm separam a humanidade de entrar em um território climático nunca antes explorado – e, ao que tudo indica, de forma alguma agradável.

Deixe um comentário

Você deve estar registrado para deixar um comentário.