Escrito em por & arquivado em Campanhas, Negociações Internacionais.

Por Greenpeace Brasil

Marcha do Povo pelo Clima toma as ruas de Novs York e intensifica pressão sobre líderes mundiais que debatem clima na sede da ONU

15297513386_fc62496736_zCom a reunião sobre mudanças climáticas convocada pelo Secretário Geral da ONU Ban Ki-moon, marcada para dia 23 em Nova York com 122 líderes de governo, inclusive a presidente Dilma Rousseff, a sociedade civil mundial foi às ruas de 166 países para marchar e cobrar medidas mais duras e eficazes dos líderes em relação ao desastroso quadro do clima global. Em Nova York, A Marcha do Povo pelo Clima juntou 310 mil pessoas para mostrar à ONU que eles já estão tomando medidas em suas comunidades, e apoiarão qualquer avanço feito no Ban Ki-moon Summit.

Tudo ocorreu tranquilamente, sem violência, num clima amigável e familiar. Crianças, idosos e até os bichos de estimação marcharam pelo clima. O recado para a reunião da ONU vem em importante momento. Como um ensaio para a Conferência das Mudanças Climáticas, a COP 20, sediada em dezembro desse ano no Peru, o encontro proposto por Ban Ki-moon tem o dever de intensificar o debate sobre o tema, derrubando o persistente ceticismo dos governos e encaminhando propostas concretas para a conferência do fim do ano.

Para tanto, o próprio Secretário General da ONU participou da marcha. “Não tem plano B porque não temos planeta B. Obrigado a todos por seus esforços e poder de mudança”, disse ele. Bill McKibben, fundador da ONG 350.org, afirmou que as mobilizações internacionais demonstram um momento de fortalecimento da atuação política da sociedade.

Os desastres naturais, por exemplo, são resultado das mudanças climáticas. Assim como no estado do Rio Grande do Sul, que sofre uma escalada dessas ocorrências, comunidades do mundo inteiro são afetadas por tempestades, inundações e cheias, como também deslizamentos, secas e migração forçada. Uma transição dos combustíveis fósseis, redução dos despejos e uma política de transporte público estratégica são algumas das demandas da marcha para uma economia baseada tanto em pessoas como no planeta.

Dois dos maiores emissores de gás efeito estufa, EUA e China, que são avaliados como ponto focal da reunião, recentemente aprovaram planos para reduzir a poluição de usinas sujas em seus respectivos países. Assim como o Brasil, ambos os países têm um importante papel a desempenhar na transição da matriz energética.

É justo reconhecer que as mudanças climáticas assumem um papel cada vez mais sensível no debate global. Por um lado, inúmeros estudos – dentre eles o IPCC, painel internacional da ONU – colocam o homem como principal responsável pelo desequilíbrio do clima. E puxando o outro lado da corda, com resoluta força, estão os governos e grandes empresas, embasados por uma lógica de desenvolvimento ultrapassada. Desde o século XIX, a partir da Revolução Industrial, a exploração desenfreada de recursos naturais, e o uso deles, como os combustíveis fósseis, catalisou as mudanças climáticas para o alarmante nível atual. O planeta e a sociedade pedem um modelo de crescimento do século XXI, responsável e sustentável. Mas atenção, ainda para esse mesmo século. Se não, pode esquecer.

Deixe um comentário

Você deve estar registrado para deixar um comentário.