Escrito em por & arquivado em COP, Negociações Internacionais, Política e Clima.

Por Bruno Toledo (OC)

rtcc-18climate_jul2014Todos os anos, negociadores de mais de 190 países se encontram regularmente para debater os desafios decorrentes das mudanças climáticas e para construir coletivamente caminhos e soluções para esse problema, sob a égide da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (UNFCCC, sigla em inglês). Esse processo contínuo de negociação reúne mais de dois mil representantes de governos anualmente, mas o desenrolar das negociações dependem basicamente de alguns poucos negociadores-chave – pessoas que representam países, blocos e instituições importantes para a construção de ferramentas multilaterais de combate às mudanças do clima.

Aproveitando a realização de um encontro de ministros em Paris há duas semanas, pelo Major Economies Forum, o portal RTCC.org fez um perfil das 18 pessoas mais estratégicas para as negociações do novo acordo climático multilateral que sucederá o Protocolo de Quioto a partir de 2020, mas que precisa ser finalizado e aprovado até o ano que vem. A relação incluir diversos ministros de Estado, representantes das Nações Unidas e da União Europeia, principal bloco regional politicamente ativo nas negociações da UNFCCC.

 

Artur_Runge_MetzgerArtur Runge-Metzger (à esquerda), negociador austríaco da UE e co-chair do grupo de trabalho da Plataforma de Durban (ADP), espaço da UNFCCC para negociar o futuro acordo climático de 2020.

christiana figueres1Christiana Figueres (à direita), secretária-executiva da UNFCCC, da Costa Rica, é a principal liderança no âmbito das Nações Unidas nas discussões e negociações multilaterais em clima.

Connie Hedergaard, ex-ministra do meio ambiente da Dinamarca e atual comissária da UE para clima, conhecida por seu perfil mais discreto publicamente, mas bastante ativa nos bastidores. Seu mandato termina no final de 2014, e sua principal tarefa até lá será aprovar as novas metas de redução de emissões do bloco.

Edna Molewa, ministra da água e do meio ambiente da África do Sul, que busca um papel mais protagonista para seu país, ao mesmo tempo em que tenta diminuir a sua profunda dependência econômica do carvão. Tem sido uma representante importante do grupo BASIC (Brasil, África do Sul, Índia e China) nas negociações recentes.

greg barkerGreg Barker (esq.), ex-ministro britânico para clima do governo do atual primeiro-ministro David Cameron, era visto como uma garantia pessoal do engajamento do premiê na questão climática. No entanto, com a saída de Barker do governo, a expectativa é de que o Reino Unida assuma uma postura mais retraída nas negociações.

Heherson Alvarez, chefe da comissão das Filipinas sobre mudanças climáticas, é um importante nome da delegação filipina nas negociações em clima. Alvarez é um veterano nesse tema, que vem se tornando cada vez mais dramático para a população filipina em geral.

Kishan Kymarsingh, negociador de Trinidad e Tobago, é companheiro de Runge-Metzger na chefia do grupo de trabalho da Plataforma de Durban.

laurent fabiusLaurent Fabius (dir.), ex-primeiro-ministro e atual ministro de relações exteriores da França e provável presidente da Conferência do Clima de Paris de 2015 (COP21), encontro no qual o novo acordo climático deverá ser concluído.

Marcin Korolec, ex-ministro do meio ambiente da Polônia, ex-negociador-chefe da UE em 2011 e ministro plenipotenciário polonês para questões climáticas desde o ano passado, quando presidiu a Conferência do Clima de Varsóvia (COP19). Também é considerado um negociador experiente em clima, mas representa um governo que vem assumindo posições bastante retrógradas no processo de negociação.

Oleg Shamanov, negociador da Rússia nas conversas sobre clima. Diplomata veterano e famoso pela verborragia, Shamanov tem o grande desafio de representar um dos maiores produtores de petróleo e gás natural do mundo, com um governo de posicionamento ainda ambíguo no que diz respeito a possíveis compromissos de redução de emissões.

Pa Ousman Jarju, representante especial de Gâmbia para clima, é considerado um dos principais nomes do grupo dos Países Menos Desenvolvidos. Esse grupo tem sido um dos principais defensores de ações e medidas efetivas no enfrentamento das mudanças climáticas, sendo um dos mais estridentes nas reuniões diplomáticas.

Prakash JavadekarPrakash Javadekar (esq.), ministro do meio ambiente da Índia, recém-nomeado pelo novo primeiro-ministro do país, Narendra Modi. Javadekar prometeu que a Índia assumirá uma postura mais agressiva em prol de ações efetivas contra as mudanças do clima.

Rasmus Helveg Petersen, ministro de clima e energia da Dinamarca e ex-colaborador da WWF. Representa um dos países mais ativos e ambiciosos em termos de políticas climáticas dentro da UE, que frequentemente pressiona os países do bloco por medidas mais efetivas para clima.

todd sternTodd Stern (dir.), representante especial dos EUA para mudanças climáticas, é o principal nome do governo Obama para negociar os termos do futuro acordo climático.

Tony de Brum, ministro de relações exteriores das Ilhas Marshall. De Brum representa uma das nações insulares mais ameaçadas pelo aumento do nível do mar, decorrente das mudanças do clima. Por isso, sua atuação tem sido marcante nas reuniões, em defesa de um acordo climático duro e efetivo para reduzir as emissões globais.

Trigg Talley, negociador dos EUA para clima, é o braço direito de Todd Stern. Ele é considerado um dos nomes mais discretos das reuniões, com atuação marcante nos bastidores.

Xie ZhenhuaVivian Balakrishnan, ministro do meio ambiente e de recursos hídricos de Cingapura, país com uma das maiores pegadas de carbono per capital do planeta, ao mesmo tempo em que é um dos mais vulneráveis aos efeitos das mudanças do clima. Dentro do governo local, tem defendido medidas mais duras para reduzir as emissões, mas ainda enfrenta oposição significativa de setores da própria administração.

Xie Zhenhua (esq.), negociador chefe da China em clima, um dos diplomatas do clima mais poderosos do mundo. Ele também é vide presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, o principal órgão local para desenvolvimento.

 

Deixe um comentário

Você deve estar registrado para deixar um comentário.