Escrito em por & arquivado em Ciência do Clima, Energia, Política e Clima.

Por Mark Lutes (WWF Brasil)

busRecentemente, o primeiro-ministro australiano Tony Abbott afirmou que iniciativas de redução de emissões de gases de efeito estufa poderiam resultar em perdas econômicas consideráveis. Esse argumento tem sido usado como justificativa pelo atual governo da Austrália para desmantelar políticas e regulações que gestões antecessoras tinham implementado no tema de mudanças climáticas.

Entretanto, um novo relatório do Banco Mundial refuta essa afirmação. Segundo o estudo, ações de combate às mudanças climáticas – como regulamentos, impostos e incentivos para estimular uma mudança para transportes limpos, maior eficiência energética industrial, e edifícios e aparelhos energeticamente mais eficientes – podem ajudar no crescimento da economia global, adicionando ao PIB mundial até US$2,6 trilhões por ano nas próximas décadas.

De acordo com o relatório do Banco Mundial, elaborado junto com a ClimateWorks Foundation, além dos ganhos econômicos, essas iniciativas podem impedir mais de 90 mil mortes prematuras relacionadas com a poluição atmosférica até 2030, já que evitariam a produção de 8,5 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono equivalente (CO2e) em emissões evitadas e quase 16 bilhões de quilowatts-hora de energia poupada, correspondendo praticamente a retirar 2 bilhões de veículos de circulação. Só essas políticas representariam cerca de 30% da redução total necessária em 2030 para limitar o aquecimento global a 2ºC.

Confira o resumo executivo do relatório do Banco Mundial em português. Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês).

Deixe um comentário

Você deve estar registrado para deixar um comentário.